4 coisas que aprendi com a minha mudança de trabalho

Carreira

O mês de março de 2016 ficou marcado por aqui como um mês cheio de mudanças. Na verdade, mudou tudo! O The Fashion Addicted deu lugar ao Oh Maria!; a minha não-relação com o João chegou finalmente a um fim e, por decisão dele, isso implicou também a saída dele do blogue; despedi-me da agência onde trabalhei nos últimos 1 ano e 9 meses e lancei-me na busca de um novo emprego e por último decidi também procurar uma nova casa com o objetivo de me mudar no início de maio.

Na verdade, sem serem os meus amigos e a minha família, mudou tudo radicalmente. E se no início foi assustador, à medida que as coisas entram nos eixos percebo que não poderia ter sido de outra maneira.

Sei que muitas das coisas que falei no primeiro parágrafo vos interessam, mas vamos por partes. Hoje decidi partilhar convosco coisas que aprendi com esta mudança de trabalho.

 

mudar de emprego oh maria! 2

 

Experiência não serve de muito se for na área errada

Sou licenciada em Marketing, adoro marketing digital e portanto provavelmente trabalhar numa agência como a comOn deveria estar perto do meu trabalho de sonho. Talvez assim tenha sido durante algum tempo, mas nem todas as funções dentro de uma agência são propriamente funções criativas ou coisas giras e interessantes de fazer. A verdade é que nos últimos 9 meses assumi uma nova função – account – e percebi que aquele não era de todo o caminho que eu queria seguir. Então para quê estar a ganhar experiência numa função que não é de todo o que quero fazer no futuro e a perder a oportunidade de trabalhar noutra área que realmente me interessa?

 

Devemos procurar todas as soluções possíveis

Quando nos sentimos bem numa empresa, custa-nos mais ir simplesmente embora. Por isso comecei por falar com os meus superiores para analisarmos se haveria alguma possibilidade de mudar de departamento e não precisar de sair da agência para trabalhar na área que eu realmente gosto. Mas neste caso isso não foi possível, por isso a única solução seria mesmo ou continuar a exercer as funções que eu não queria, ou procurar outra oportunidade fora dali. Ficar como estava não era opção por isso lacei-me na busca.

 

Nem sempre é à primeira

A primeira oportunidade que me surgiu era bastante interessante mas era uma vaga por tempo limitado. Ao fim de poucos meses iria estar desempregada. Ainda assim, tendo em conta que estava completamente decidida a mudar achei que valia a pena arriscar, pois durante esses meses iria continuar à procura de algo mais duradouro.

 

As oportunidades estão onde menos esperamos

Sabendo que teria de arranjar alguma outra coisa, comecei a enviar alguns cv’s. Escolhi criteriosamente os locais para onde enviei mas não jogando sempre pelo seguro. E foi exatamente uma vaga para uma área que até então nunca me tinha passado pela cabeça que acabou por se tornar no meu futuro trabalho. Depois de me deparar com a função percebi que não só era algo que me interessava bastante aprender como é uma área com muito mais saída que a outra que eu estava fixada em seguir. Ótimo, não?

 

E vocês, alguma vez se despediram? Seriam capazes de “desperdiçar” um trabalho mais ou menos seguro para arriscarem e lutarem pelos vossos sonhos? Contem-me tudo nos comentários 🙂 ♥

(Visited 4.098 times, 1 visits today)

Mais artigos para ti

  • Liliana Silva
    6 Abril 2016 at 10:56 am

    Olá 🙂
    Li este post e parecia que de repente era eu que o estava a escrever! Também arrisquei, também me despedi, também troquei o certo pelo incerto, também foi no mês de Março! E tem sido uma aventura… porque, ainda por cima, decidi fazê-lo depois de ser mãe, logo, numa altura de mais responsabilidades! Mas acho que foi precisamente a maternidade que me deu a coragem que me faltava para “dar o salto”… 7 anos depois… porque “a vida começa quando decidimos o que queremos dela”!

    Isto, para dizer que este foi um texto escrito à minha medida! Que poderia ser o resumo da minha vida nestes último dias!

    Boa sorte, muita sorte neste nova etapa. Mas, como diz o ditado, eu acredito que “Quem muda, Deus ajuda!”

    Beijinhos
    agravidezdele.blogspot.pt

    • Maria
      7 Abril 2016 at 12:01 pm

      Muito obrigada mesmo pelo teu comentário querida, sinto-me feliz por perceber que não sou a única e que estamos todas a reunir energia positiva para sermos mais felizes. O teu filho (ou filha) vai ter um orgulho enorme em ti de certeza! Muita força, um beijinho*

  • Sara Silva
    6 Abril 2016 at 8:38 am

    Olá Maria!

    Tal como aqui foi dito, estou a adorar este teu lado mais pessoal no blog. De facto o teu mês de março foi uma maré de mudanças, mas tu és uma rapariga forte e sabes lidar com isso! 🙂
    Relativamente ao teu trabalho, identifiquei-me: estou há 3 anos a trabalhar na minha área, mas já há alguns meses que sinto que já não há espaço para crescer aqui. Tenho enviado currículos e já tenho uma possibilidade de trabalho mais ou menos definida. Resta dar tempo ao tempo! 🙂

    beijinhos e força!

    • Maria
      7 Abril 2016 at 12:02 pm

      Vais ver que rapidamente vais mudar para melhor! Tu também tens muita força, já te sigo nestas andaças dos blogs há uns aninhos 🙂 beijo enorme!

      • Sara Silva
        7 Abril 2016 at 12:30 pm

        Obrigada pelas tuas palavras 😀 beijinhos!

  • Xana Nunes
    5 Abril 2016 at 11:31 pm

    Não me despedi mas tomei a decisão de não renovar contrato, que vai quase dar ao mesmo.
    Era o meu primeiro emprego, não era na área e ainda estava a estudar. Queria arriscar e, passados alguns meses, já com o mestrado terminado, decidi que queria trabalhar na área – mesmo não tendo morrido de amores pelo curso. Foi tudo tão rápido que ainda não sei se foi a decisão certa. No espaço de nove meses arranjei o 1º emprego, saí do 1º emprego, acabei o curso e comecei a trabalhar na área. Às vezes acho que quanto menos planeadas as coisas são, melhor correm. E se assim for, acho que estou no bom caminho 😛
    Ainda não sei se estou a gostar do rumo que profissionalmente estou a levar, culmino em mim duas das piores coisas: insegurança e indecisão ahahaah Mas vai tudo correr pelo melhor, para mim e para ti, Maria 😀
    Que tanta mudança junta seja para melhor, a todos os níveis! Um grande beijinho *

    • Maria
      7 Abril 2016 at 12:03 pm

      Opa tanta coisa boa em tão pouco tempo! Se não gostares hás-de ter tempo e força para mudar tudo de novo, nada de inseguranças 😀 beijo grande e muita força!

  • 4 coisas que aprendi com a minha mudança de trabalho - Blogs de Moda
    5 Abril 2016 at 7:17 pm

    […] post 4 coisas que aprendi com a minha mudança de trabalho appeared first on Oh […]

  • Teresa
    5 Abril 2016 at 7:07 pm

    Olá! Gostei muito do texto. Acredito que tenha sido uma mudança difícil, uma vez que tudo o que já se encontra na nossa zona de conforto custa mais a deixar. Mas gostei de saber que deste a volta por cima – é assim que uma pessoa sabe que será sempre capaz de lutar pelo que quer e felicito-te por isso!

    Em resposta à questão do final: Há momentos na vida que não podemos largar o que temos,por mais que isso seja sofrer. Já estive no pior trabalho que pude exercer até agora, num call Center e, por mais que odiasse, o facto de não ter ajuda de ninguém e ter coisas por pagar, obrigou-me a manter-me lá até que fiquei depressiva e decidi que tinha que me aventurar por mais que isso me levasse à instabilidade – não saber se o contracto ia ter um termo certo/incerto, etc. Agora estou bem e muito mais feliz num trabalho que apesar de não ser aquele que quero fazer sempre, me está a abrir novas portas e a ensinar-me muito. Acho que todas as funções que exerces, te ensinarão algo útil para a próxima e são sempre uma ponte para saberes o que realmente queres! E pronto, já me estou a alongar muito e é a primeira vez que visito o teu blog sendo este o primeiro post que leio!! Haha beijinhos e boa sorte nesta tua nova fase

    • Maria
      5 Abril 2016 at 10:29 pm

      Olá Teresa, muito muito obrigada pelo comentário 🙂 É verdade que muitas vezes por causa das responsabilidades acabamos por não arriscar, mas também é verdade que mesmo com essas responsabilidades quando somos obrigados acabamos por arranjar uma solução e dar a volta por cima. Mas é evidente que as pessoas preferem não se colocar numa situação de aperto deliberadamente. Um beijinho grande e volta sempre *