8 razões para não ter um blog #blogging101

8 razões para não ter um blog #blogging101

Para além de ter o meu blog e canal de Youtube, não perco a oportunidade de estar sempre a descobrir novas bloggers e youtubers, não só para inspiração mas porque gosto verdadeiramente de acompanhar algumas delas.
Entre vários vídeos de Q&A surgem sempre perguntas de como é que as bloggers conciliam a vida do dia a dia com o blog ou o canal ou o que mudou na vida delas depois de criarem o blog. E isso fez-me pensar em várias coisas que às vezes acho que as pessoas que acompanham os blogs não fazem ideia, por isso agrupei neste post 8 razões para não ter um blog. Se é tudo mau? Não, não somos masoquistas e claro que se continuamos com os blogs é porque gostamos apesar de tudo, mas não é um mar de rosas como toda a gente a pensa. Ora vejamos:

 

Passear “de borla” pode não ser assim tão giro

Muitos dos sítios onde vamos são em parceria com os locais, sejam restaurantes, hotéis, férias, festas… Isso parece muito giro porque temos várias coisas “gratuitamente” mas o que muita gente não sabe é que esses momentos que deveriam ser de relaxe ou diversão passam a ser momentos em que estamos a trabalhar. Ir a um restaurante e não poder tocar em nada até ter tirado fotos a tudo, por vezes com a pior luz do mundo o que faz demorar séculos e a comida acaba fria. Ir de férias e no lugar de relaxar ter de estar constantemente a fotografar, a postar nas redes sociais e se por alguma razão não postarmos sobre alguma coisa que a empresa ofereceu, que possa não nos ter parecido assim tão relevante e nunca fomos informadas do contrário, ter logo uma mensagem na caixa de e-mail a perguntar o porquê. Como se costuma dizer, não há almoços grátis, por isso essa história de termos coisas gratuitas é uma ilusão.

 

E receber roupa e maquilhagem também não

A roupa é outra questão bastante pertinente. Todas sabemos que a maioria das bloggers recebem roupa de algumas marcas, a maioria de lojas online o que implica que façamos uma encomenda sem experimentar, correndo o risco de chegarem coisas que não nos servem ou que não ficam tão bem como parecia nas fotos na loja. Qualquer outra tem a oportunidade de enviar a peça para trás e substituí-la por outra ou por um tamanho que assente melhor, em alguns casos até devolver definitivamente. No nosso caso não só não temos essa oportunidade – em 99% dos casos –  como temos OBRIGAÇÃO de postar com aquela peça de roupa dentro do timing exigido pela loja, mesmo que nos fique mal. Às vezes temos mesmo de ser muito criativas para conseguir fazê-lo e noutros casos algumas lojas acabam por terminar a parceria por não o fazermos decentemente.

 

A vida profissional pode ficar em causa

Pode ser muito giro ser reconhecido na rua, ter seguidores e fãs e uma relação próxima com a nossa comunidade, mas as coisas mudam de figura quando toca ao nosso local de trabalho. Qualquer coisa que coloquemos no blog está à mercê de ser visto pela nossa entidade patronal, atual ou futura, e se algumas coisas são vistas de forma positiva outras nem por isso. A nossa carreira e profissionalismo podem ser afetados por má interpretação ou julgamento por parte de alguém que nos está a contratar. Já para não dizer que quem tem um trabalho com um horário rígido não tem a mínima hipótese de ir a eventos e apresentações de marcas, já que são feitas quase todas a dias de semana a horários “estranhos”. Não posso simplesmente pedir para sair mais cedo para ir a um evento do blog.. 3 vezes por semana.

 

Adeus vida social

Na vida normal o tempo das pessoas é dividido entre trabalho e vida pessoal, na vida das bloggers é dividido entre trabalho e mais trabalho. Até os nossos supostos momentos de lazer se tornam momentos de trabalho porque estamos preocupadas em fotografar tudo para ter conteúdo, estar atentas aos horários para publicar nas horas que trazem melhores resultados e aproveitar todo o tempo livre para fotografar, filmar e editar (sabiam que um vídeo mais complexo pode demorar entre 8 a 10h para gravar e editar?). Imaginem conciliar isto com tudo o resto, nomeadamente o nosso trabalho de pelo menos 8h por dia que é muitas vezes o que nos paga as contas já que há muito poucas bloggers em Portugal que vivam exclusivamente do blog. Basicamente desde que tenho o blog que não tenho vida social, as minhas horas de almoço são passadas a escrever posts e editar vídeos, o mesmo se passa com as horas ao fim do dia e ao fim de semana tiro pelo menos um dos dias para dedicar completamente à criação de conteúdo. Haja namorado, família e amigos com muita paciência e compreensão.

 

Rede de contactos – fator eliminatório

Principalmente em Portugal estamos habituados a criticar quem chega a um local, tenta perceber quem são as pessoas influentes ou contactos úteis e arranja forma de se aproximar e de se apresentar. Mas a verdade é que no mundo dos blogs – e noutros também, claro- é essencial termos capacidade de criar contactos pois só assim poderemos fazer crescer o nosso blog e ser consideradas em futuras ações de determinadas marcas ou empresas. É preciso ter “lata” de chegar, meter conversa ou procurar amigos em comum, ser simpático mesmo depois de um dia mau e conservar essas ligações pelo máximo de tempo possível.

 

Será que pouco é melhor que nada?

Se é difícil ser blogger no geral, em Portugal é duplamente difícil já que muitas marcas não nos levam a sério. Tomam a parte pelo todo e acham que somos um bando de miúdas a escrever qualquer coisa pouco útil só para aparecer. É preciso muito estofo para levar o blog a bom porto, ouvir muitos “nãos”, receber propostas que desprezam todo o trabalho que um post nos dá a fazer, e muitas vezes aceitar algumas delas para continuar a trabalhar. Enquanto existirem bloggers que fazem 5 posts, 3 vídeos e 10 snaps porque receberam um batom que custa 5€ é impossível ser levado a sério e receber o valor justo pelo nosso trabalho, acabamos por ter de nos sujeitar a fazer o mesmo se queremos ter parcerias.

 

As “Marias vão com as outras” e a concorrência

O público muda de ideias como quem muda de camisa e se num dia somos as melhores, no outro ninguém quer saber porque apareceu uma blogger ao lado que por uma razão ou por outra consegue criar conteúdo que atrai mais os nossos antigos leitores. Funciona tal e qual o mundo empresarial, o nosso blog é uma marca que tem de estar sempre a reinventar-se para ser atraente para o público. E para que isso aconteça temos de estar sempre a investir, tempo e dinheiro, procurar novas ideias, ter material de trabalho em condições para criar conteúdo, estar constantemente a pensar no que podemos fazer melhor. As estações do ano, o facto de anoitecer mais cedo ou mais tarde, estarmos doentes, termos algum problema pessoal ou simplesmente querer tirar férias não são razões que vinguem por aqui. Não há folgas! Se não postarmos regularmente, se não nos reinventarmos, se não testarmos para descobrir o que os nossos leitores gostam, alguém ao lado irá fazê-lo por nós.

 

Fecha a boca, costas direitas, zero celulite

Esta é uma questão sensível que acho que muita gente simplesmente não quer admitir, mas que é preciso falar nisto. As pessoas querem seguir bloggers magras, bonitas, bem arranjadas, que apresentam alguns produtos que todas podemos comprar sim, mas que também apresentem coisas que ambicionamos ter mas que provavelmente nunca teremos. Querem seguir “It girls” que permitam inspiração e só o facto de a maioria das pessoas nunca chegar lá é que faz com que continuem todos os dias a segui-las, porque estas bloggers nos transportam para um mundo ideal onde tudo parece maravilhoso, onde não há problemas, onde estão sempre sorridentes, viajam várias vezes por ano, têm a roupa que todas queremos ter, cabelos bem tratados, maquilhagem bem cuidada.. Tudo o que gostaríamos de ser mas não somos. Claro, por detrás disto estão horas e dias de produção, cansaço, cuidados rigorosos com a alimentação, com a pele, não fazer isto, fazer antes aquilo… são as modelos de hoje em dia e se querem continuar a pertencer à elite têm de de manter nos eixos. Por isso, nem todas nós poderemos ser It girls por muito que nos matemos a tentar!

 

“People don’t realise that blogging is a 24-hour, seven-days-a-week job. Oh, you’re sick? Sorry, no sick days! I think bloggers who are doing a good job make it look effortless. It might just look like we are living that luxe, beautiful life, headed from a meeting to work cocktails to a glam event, but you better believe I am up until 3 a.m. answering emails, editing photos, and prepping projects. Work hard, play hard!” Kimberly Pesch

 

São só 8 razões para não ter um blog, muitas mais coisas boas e más haveria a dizer certamente e podem deixar as vossas opiniões nos comentários 😀

Pessoalmente adoro ser blogger, não trocava isto por nada e se tivesse oportunidade de me dedica a 100% a isto, mesmo apesar de todo o regime, faria sem pensar duas vezes (talvez porque já pensei muito), mas sem dúvida que é necessária uma grande grande paixão para ter essa vida que parece um sonho mas que por trás faz de nós um bocadinho marionetas e escravas do nosso próprio negócio. Se no início tudo parece giro, 6 anos e meio depois há dias em que dá vontade de mandar tudo à fava. Mas ter a capacidade de não o fazer é o que distingue o amor verdadeiro de um mero interesse. Eu amo o meu blog e a vocês todas desse lado 😀 ♥

Follow:

4 Comments

  1. Beatriz Silva
    30 July 2016 / 3:26 am

    Eu comecei o meu blog em Março e ponderei muito antes de o fazer porque qualquer coisa, por muito boa que nos possa parecer, tem sempre o seu lado negativo. Eu estava consciente disso, mas estou satisfeita por ter decidido seguir em frente. Realmente ter um blog ocupa imenso tempo (e nem imagino quem gere um blog e um canal no YouTube em simultâneo), mas também no meu caso o que não falta é tempo livre. Quanto a algumas coisas que mencionaste como a parte das parcerias não sei bem como funciona porque ainda ando por aqui há muito pouco tempo, mas acredito que seja realmente muito difícil lidar com certo tipo de situações.

    Beijinhos
    http://thefashionwink.blogspot.com

  2. 29 July 2016 / 8:32 am

    Concordo com tudo a 200%, mas principalmente com a parte da vida profissional.. Eu que estando numa área que em nada tem a ver com este mundo, muito pelo contrário, opto pelo low profile e o “não aparecer” para não prejudicar um lado tão importante.. mas que também faz com que nunca “sonhe” fazer disto a minha vida profissional porque para isso é preciso alguma exposição 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *