Como saber se ele é um bom namorado para mim?

Como saber se ele é um bom namorado para mim?

Dei por mim a pensar nisto hoje.

 

De certeza que já viram por aí no vosso feed de Facebook milhões de artigos do género “Descobre se ele gosta mesmo de ti”, “Se o teu namorado faz estas 5 coisas nunca o deixes”, coisas do género. Normalmente são artigos muito clichés que enumeram coisas que qualquer pessoa normal e saudável da cabeça faz numa relação, e nem é preciso estar perdidamente apaixonado. É o normal, o básico diria.

Mas depois leio outros artigos mais sérios, como este por exemplo, e sabendo como muitos homens são em casa vejo que tenho uma sorte do caraças. Mas não é sobre mim, a minha relação ou o espetacular do meu namorado que quero escrever hoje. O que vos quero explicar é como é que podem saber se a pessoa com quem estão, seja já um namorado ou um ainda-a-ver-o-que-vai-dar, é a pessoal “ideal” para vocês.

 

Há uma fórmula para descobrir isto? Não, porque na verdade cada uma de nós tem gostos e exigências completamente diferentes. Se para umas o namorado sair até tarde com os amigos é um problema, para outras até é algo muito positivo porque ficam com tempo livre para fazerem o que quiserem sem os terem sempre à perna. Se para umas eles deixarem a tampa da sanita levantada, não fazerem a cama ou deixarem coisas fora do lugar é motivo para ficarem extremamente chateadas e irritadas, outras nem ligam a isso, passa-lhes completamente ao lado.

Sê realista

Um dos grandes problemas das relações entre as pessoas são as expectativas. Criamos determinada expectativa, idealizamos determinada coisa, e depois quando as coisas não são bem assim é um dilema e até as pequenas coisas já parecem problemas gigantes. Sem pensar em príncipes encantados e em pessoas perfeitas – que, lamento ter de ser eu a dar esta notícia, não existem! – como é que gostavas que fosse um possível namorado teu? Mais divertido ou mais recatado? Sonhador idealista ou com os pés bem assentes na terra e muito pragmático? Etc etc etc. Agora ordena todas essas características da mais importante para a menos importante. Et voilá! Já tens por onde te guiar. Não serve de nada bateres a pestana ao miúdo giro do bar e já sabes que nunca te sentirias segura com um rapaz que trabalha à noite e tem montes de raparigas de volta dele, certo? Não percas tempo e segue em frente.

 

Emoção VS Razão

Sim, é preciso ser racional e conseguir ter sangue frio muitas vezes para olhar para as coisas de fora e sair de uma relação que não nos faz feliz. Mas também é preciso avaliar a maneira como as pessoas nos fazem sentir mais do que picar os pontos da checklist acima. És muito recatada e até bastante séria e nunca te imaginaste com alguém que fosse meio palhacinho, mas encontraste alguém assim e descobriste que afinal isso não te incomoda e até te faz rir? Então pronto, vai adaptando o ponto 1 àquilo que vais descobrindo sobre ti própria porque por vezes idealizamos determinadas coisas e rejeitamos outras mas apenas porque nunca contactámos com elas e não sabemos como é. O “namorado ideal” é aquela pessoa com quem te sentes segura, todos os dias. É aquela pessoa que faz todos os dias para que não tenhas dúvidas do amor que tem por ti. Na minha opinião, o amor verdadeiro é aquele que junta o amor carnal ao fraternal. A pessoa certa é aquela que ao mesmo tempo que te deseja como mulher cuida de ti como uma criança, se preocupa com os teus sentimentos, com o teu bem estar, mesmo sabendo que tu sabes cuidar muito bem de ti sozinha.

 

Cumplicidade em todas as ocasiões

Quem é que nunca teve um namorado com que se dava extremamente bem quando estavam sozinhos mas que era sempre o caos quando saiam com outras pessoas? Eu já por isso sei bem do que falo. Custa até acreditar que sempre que se combina algo com mais gente acabem a discutir, muitas vezes por razões idiotas ou inexplicáveis. A relação ideal é aquela em que há cumplicidade e harmonia em todas as ocasiões. É por isso que se diz que uma relação não resulta se duas pessoas não tiverem os mesmos interesses. Percebo porque se diz isso, embora não concorde em pleno. O importante não é termos os mesmos interesses mas sim conseguirmos respeitar os interesses da outra pessoa, e a sua maneira de ser e estar em público, se isto não acontecer uma relação não irá resultar. Por exemplo se têm um namorado que gosta de música e toca, mesmo que de forma amadora, e por essa razão tem ensaios durante a semana, vai atuar alguns fins de semana… Tudo isso é tempo que ele irá ocupar e que não estará com vocês, se não forem capazes de perceber e respeitar este gosto e interesse dele vão acabar a ficar chateadas se algum dia têm algum plano hiper mega giro que gostavam de fazer com ele e ele não pode porque tem de ensaiar “A sério que não podes faltar a um ensaio para ir a isto comigo? Por amor de deus, deves achar que és músico profissional. Mais um ensaio menos um ensaio vai dar ao mesmo.”.

 

A opinião de quem está de fora

Raramente me vão ouvir dizer que a opinião dos outros interessa muito, mas neste caso a opinião de pessoas que gostam realmente de nós pode ser fundamental. Quando gostamos de alguém ficamos ceguinhas, arranjamos desculpas para tudo o que corre mal e sobrevalorizamos o que corre bem para justificar porque é que continuamos com alguém que no fundo sabemos que não é a pessoa certa para nós. É por isso que a opinião de quem está à nossa volta, e tem boas intenções para connosco, é muito importante. As tuas amigas, a tua família, conhecem-te melhor que ninguém e ao verem a tua interação com o teu namorado irão certamente conseguir decifrar muita coisa que tu dentro da relação não consegues ver. Dá-lhes um bocadinho de ouvidos antes que seja tarde de mais. Já por outro lado, não dês ouvidos a qualquer pessoa e não metas em causa a tua relação por causa do palpite de alguém que mal te conhece. E não, a frase “Que razão teria esta pessoa para mentir?” não serve para justificar, irias ficar surpreendida com as razões distorcidas que as pessoas têm para mentir sobre as mais variadas coisas, às vezes até sem razão nenhuma, só porque sim, sem pensarem nas consequências.

 

 

E é isto. Se tiverem mais coisas para acrescentar deixem nos comentários 🙂 E sejam felizes! O mundo não acaba porque uma relação acabou e a pessoa com quem estão não é a última coca-cola do deserto, se não vos faz verdadeiramente feliz não é para vocês ♥

Follow:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *