Oh Martim! #1

Oh Martim! #1




Passou um mês, quase nem consigo acreditar. Há alguns anos que tenho a constante sensação que o tempo passa muito depressa mas é mesmo verdade que temos ainda mais essa perceção depois de termos filhos.

Já contei a história do meu parto, agora está na altura de fazer um pequeno resumo do primeiro mês em casa com o Martim.

Falei por aqui, e pelo Facebook, na altura da minha gravidez, que tenho os mamilos invertidos e por isso estava com algum receio em relação à amamentação. Muita muita gente disse que não tinha nada a ver, que o bebé pega na aureola e não apenas no bico do peito, mas a verdade não é bem assim.

Logo que nasceu e que o trouxeram para mamar, percebemos que não havia meio de ele mamar sem os mamilos de silicone, porque por muito que o enfermeiro tentasse espremer e ajeitar o peito para ele pegar, o meu peito é demasiado mole e o bebé não tinha como agarrar absolutamente nada. Assim sendo lá coloquei os mamilos de silicone que me tinham oferecido. A coisa até correu bem, pensei para mim “boa, isto nem dói praticamente, afinal vou conseguir amamentar tranquilamente basta usar os mamilos de silicone”. Estava muito enganada. Os mamilos que eu tinha eram tamanho L e os enfermeiros acharam que eram demasiado grandes e que o bebé teria dificuldade em alimentar-se assim, então o Zé foi comprar uns tamanho S. Eu estava super feliz, até que coloquei esses mamilos e assim que o Martim pegou no peito comecei automaticamente a sangrar. Fiz o esforço de o tentar amamentar durante os primeiros dois dias, mesmo com o peito numa lástima (cortes, sangue, dores), no fim de cada mamada metia sempre o creme Purelan e depois com as gretas metia do meu leite (que ainda era só colostro) e deixava ao ar, mas nem assim as dores aliviavam. Tive vários enfermeiros a vir verificar a pega do bebé e diziam sempre “mas ele está a pegar bem, está tudo bem, as dores e as gretas são normais”, eu é que não achava aquilo nada normal.

Na última noite no hospital estava com tantas dores que simplesmente achei que era ridículo estar-me a sujeitar a isso assim como sujeitar o bebé ao meu stress e a estar constantemente a gemer e contrair-me durante o tempo em que ele estava a mamar e começámos com o leite adaptado (LA).

Quando voltei para casa comprei todo um kit, tanto de LA (leite em pó, biberões, esterilizador, termo para não ter de ferver água a cada mamada) como a bomba elétrica da Avent e as famosas conchas para tentar voltar a amamentar. Comecei a tira leite com a bomba e dar-lhe aquilo que conseguia que saísse, só que raramente passava dos 20ml (as duas mamas juntas) e com a falta de estimulação do bebé a produção também não aumentou. Quando, ao fim de uns poucos dias, tentei voltar a metê-lo na mama com os mamilos de silicone, voltou tudo a gretar logo na primeira mamada e mesmo usando as conchas e fazendo todo o processo de aplicar leite meu etc etc nada me aliviava as dores. O que acontece é que a pele dos meus mamilos SEMPRE esteve metida para dentro, nunca na vida teve contacto com absolutamente nada, nem roupa, nem ar, nem nada. Ora, uma pele assim é super fininha e super frágil, assim que o miúdo mamava a pele cedia automaticamente ficando logo em sangue. As dores eram horríveis, para mim eram ainda piores do que as que senti durante o trabalho de parto enquanto ainda não tinha epidural.

Foi assim que simplesmente arrumei a “tralha” e deixei a amamentação de lado. Sempre disse que se achasse um sofrimento em demasia não ia prolongar isso e passaria para o LA – aliás, antes de engravidar até dizia que nunca iria amamentar – e assim fiz. A verdade é que foi um peso que me saiu de cima. Todos os dias me sentia frustrada por ter os mamilos naquele estado, por não conseguir amamentar decentemente, por estar horas com a bomba nas mamas e sair apenas 20ml. Quando abracei simplesmente a decisão de me ficar pelo LA tudo isso desapareceu. Dá um bocadinho de trabalho preparar cada biberão, tivemos de nos render ao Infacol (que a minha melhor amiga nos trouxe de Inglaterra) e ao Coliprev para minimizar as cólicas, e sair de casa é toda uma logística. Mas por outro lado, é muito mais confortável, sei exatamente quanto é que ele comeu e somos muito mais felizes.

 

Passando à frente esta aventura da amamentação, tenho a dizer que tenho a maior sorte do mundo porque me saiu um filho super calmo, que chora pouquíssimo e que rapidamente passou a dormir 5 horas seguidas durante a noite. Chorou nos primeiros dois banhos mas agora adora estar dentro da banheira e durante 3 semanas não conseguia fazer cocó sozinho, tínhamos sempre de usar o Bebegel (é normal quando estão a LA, a pediatra disse que não fazia mal nenhum usar um Bebegel por dia para ajudar a limpar o intestino, não podíamos era deixar que passasse mais de 24h sem fazer), mas durante as nossas mini-férias no campo começou a fazer sozinho e tudo normalizou.

Sinto-me cansada, apesar de até dormir razoavelmente, mas parece que as tarefas em casa se multiplicam. Há sempre roupa para lavar (se não é nossa, é do Martim que suja roupa à velocidade da luz), refeições para preparar, loiça para lavar, coisas para arrumar ou fraldas para mudar e biberões para fazer. Apesar de me esforçar por tentar manter tudo em ordem a verdade é que sinto que a casa está sempre um caos (e como a nossa casa é super pequena, rapidamente se torna stressante). Sinto também muita dificuldade em concentrar-me, por isso é que estive algum tempo ausente tanto do blogue como das redes sociais, porque simplesmente não conseguia focar-me nessas tarefas.

No entanto, até agora, tive a ajuda do Zé que tem sido incansável e que faz tanto ou mais coisas que eu – sejam relacionadas com o bebé ou tarefas domésticas -, mas muito muito em breve ele vai regressar ao trabalho e vamos ficar aqui só eu e o pequeno baby M. e aí este sentimento de cansaço mas felicidade é capaz de dar lugar a cansaço só, não sei, veremos.

É uma grande aventura, isso já sabia, mas sinto-me verdadeiramente feliz e de coração cheio. Ainda não tive vontade dia nenhum de atirar o miúdo pela janela e portanto já considero isso uma grande vitória 😛 ♥

 

Favoritos do mês:

Produtos de higiene: Uriage

Fraldas: Dodot Sensitive e Chicco

Leite: Aptamil 1

Biberão favorito: Mam Anti-cólicas

Chucha favorita: Chicco

Follow:

6 Comments

  1. Sandrina Ferreira
    29 September 2017 / 8:31 pm

    parabéns e muita saúde para os três, mas principalmente para o Martim!
    que sejam imensamente felizes ♡

    um beijinho *

  2. 28 September 2017 / 10:02 am

    Meu amor,

    O mais importante é que ambos estejam bem. A decisão da amamentação foi a mais correcta para os dois, e fico muito feliz que já não estejas nesse sofrimento. Mamã feliz = bebé feliz.
    Nem acredito que já passou um mês e que ainda não fui conhecer pessoalmente o Martim. Da próxima semana não passa!

    <3

  3. 27 September 2017 / 12:12 pm

    Adorei a frase “Ainda não tive vontade dia nenhum de atirar o miúdo pela janela e portanto já considero isso uma grande vitória”
    Posso perguntar que biberões tens? Há biberões com tetinas anti cólicas (não quero passar atestado de estupidez eu desconhecia até uma amiga me ter dito ahahaha).
    Eu penso amamentar, sei que não vai ser fácil mas não tenho mamilos invertidos por isso deve ajudar. Mas se vir que é terrível e um peso constante e estiver sempre em dores passo também para LA.

    Parabéns, tudo se faz mesmo com o Zé a voltar ao trabalho e se a casa andar mais desarrumada pois olha, azar. Tens de descansar porque tens um emprego verdadeiramente a tempo inteiro que é cuidar dele e de ti 😀

    • 27 September 2017 / 12:19 pm

      Ahaha, provavelmente em alguma fase vou ter vontade de o atirar da janela, e como há tantos bebés que dão más noites já ia um bocado a medo mas está tudo a correr bem. Eu tenho dois biberões da Avent e um da Mam, ambos dizem que são anti-cólicas mas os da Mam têm um sistema na parte de baixo do biberão para libertar o ar quando o bebé está a mamar e tenho notado imensa diferença nas cólicas entre uns e o outro. Mas como só tenho três, acabo por usar todos na mesma.
      Eu detesto viver na desarrumação, ainda ponderei contratar um serviço de limpeza porque a casa é super pequena por isso não ia ser nenhuma fortuna, só que o principal problema não é limpar mas sim arrumar e não sei se alguma empregada se vai desenrascar a descobrir o sítio às coisas e a arrumar tudo e limpar a seguir :\

      • 28 September 2017 / 7:27 am

        Pois uma amiga usou Dr. Browns e deu-se bem… O que funcionar e também um dia as cólicas passam quando ele começar a comer papas e assim…
        Eu sei, eu também, mas acho que às vezes temos de perceber que não é o fim do mundo… Tudo se ensina mas ias ter de ensinar porque do que ouço de amigas é difícil encontrar empregadas que procurem nas gavetas e acabem por arrumar as coisas como deve ser…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *