Pea on board #2 // Primeiras dúvidas da gravidez

Pea on board #2 // Primeiras dúvidas da gravidez

Olá girls! Depois de ter contado as novidades sobre o novo elemento da família que vem a caminho, chegou a hora de fazer o primeiro artigo sobre o assunto da gravidez.

Começo já por dizer que eu não percebo nada disto, nunca estive grávida antes nem tenho pessoas próximas que tenha acompanhado as suas gestações de perto, mas uma mulher nunca se atrapalha e rapidamente descobre tudo o que precisa saber.

Quando descobri que estava grávida várias dúvidas surgiram na minha cabeça e é a isso que este artigo se refere, quais as principais inquietações que tive e as respostas, da minha experiência e aprendizagem, para cada uma delas.

 

 

O teste de gravidez deu positivo, e agora?

 

A primeira coisa – e perdoem-me as mais sensíveis a este assunto – é decidirem se querem ou não ter a criança. Não, nem sempre quando o teste de gravidez dá positivo damos pulos de felicidade e nos imaginamos logo com uma criança nos braços. Não é assim, lamento. E, na minha opinião, se existe a possibilidade de, até determinado ponto, decidirmos se queremos ou não meter uma criança no mundo, então devemos analisar bem a nossa vida, os nossos recursos e ponderar se nesta altura da vida vamos conseguir criar um filho com tudo aquilo a que ele tem direito. Muitas pessoas dizem que interromper a gravidez é puro egoísmo, mas vejo com cada história familiar que acho mesmo que para algumas crianças mais valia não terem nascido do que passarem pelo que passam.

Analisar a nossa situação familiar, financeira e também a opinião do futuro pai – a não ser que queiram fingir que foi um caso de uma noite e não atribuírem nenhum pai à criança – é essencial. Vejo muitas mulheres que, porque os bebés estão na barriga delas, acham que têm o direito de tomar sozinhas a decisão, mas depois acabam a depender dos familiares próximos para conseguirem criar e educar a criança. Não acham pelo menos que, se vão precisar dessa ajuda, essas pessoas devem concordar com isso? Ou acham normal decidirem sozinhas avançar com a gravidez, sabendo que não têm tempo/dinheiro/estabilidade para criar a criança e depois obrigarem (literalmente) as pessoas à vossa volta a participarem no assunto sem direito a opinar?

Sei que muita gente não irá concordar comigo, mas esta é a minha opinião sincera.

 

De qualquer das formas, se o teste deu positivo a segunda coisa que devem fazer – depois de decidir se querem ou não avançar com a gravidez – é marcarem consulta no vosso centro de saúde. O médico irá ou encaminhar-vos para o hospital para avançarem com a IVG ou encaminhar-vos para a Saúde Materna para começarem a acompanhar a vossa gravidez. Lembrem-se que esta consulta deve ser feita o mais rapidamente possível, pois existem alturas específicas tanto para a IVG como para os exames que têm de fazer no 1º trimestre.

 

 

Cuidados a ter a partir do primeiro momento

 

Se decidiram que vão avançar com a gravidez então devem cortar de vez com café, álcool e tabaco assim como com qualquer medicamento que estejam a tomar. Se têm um problema de saúde grave que exige a toma diária de medicação devem rapidamente consultar um médico e perceber que medicamentos podem ou não continuar durante a gravidez.

A alimentação é outro dos cuidados essenciais. Até fazerem as primeiras análises não sabem se são ou não imunes à toxoplasmose, por isso esqueçam carne mal passada, enchidos e fruta e vegetais fora de casa. Estes últimos, a serem consumidos em casa, devem ser muito bem lavados, depois colocados de molho durante uns 20 a 30 minutos em água com Amukina ou uma colher de chá de lixívia e depois lavados muito bem de novo antes de serem consumidos.

Há outros alimentos que estão na lista de restrições como o marisco, o sushi ou os ovos por exemplo, mas esses não são restritos por causa da toxoplasmose mas sim pelo risco de intoxicação alimentar, contaminação por listeria ou salmonelas.

Muita atenção também ao contacto com fezes de animais, principalmente gatos. Se têm animais devem pedir a outra pessoa que faça a limpeza dos dejetos durante a gravidez.

 

 

Exames a realizar

 

Existem três fases principais de exames, referentes a cada um dos trimestres da gravidez. No 1º trimestre, entre as 11 e as 13 semanas, devem realizar análises ao sangue que irão despistar várias das vossas imunidades assim como algum problema de saúde que possam ter, a 1ª ecografia onde o feijãozinho começa a dar ar de sua graça e o rastreio bioquímico que em conjunto com os resultados da ecografia despista a probabilidade de cromossomopatia.

No 2º trimestre, entre as 20 e as 22 semanas, é realizada a ecografia morfológica onde normalmente já é possível revelar o sexo do bebé e novas análises para continuar a acompanhar o estado de saúde da grávida. No 3º trimestre, entre as 30 e as 32 semanas, são realizadas novas análises e nova ecografia para continuar a acompanhar o estado de saúde da mãe, a evolução e estado do bebé e as condições que antecedem o parto. A partir destes últimos exames, o acompanhamento passa a ser praticamente semanal até ao fim da gravidez, normalmente as grávidas são encaminhadas para o hospital onde desejam que o parto se realize para serem acompanhadas por especialistas em ginecologia e obstetrícia.

É claro que isto é o normal no Serviço Nacional de Saúde, mas as mamãs que decidem ser acompanhadas no privado acabam por realizar por hábito mais ecografias (às vezes uma por consulta, ou seja, praticamente uma por mês) e são por vezes acompanhadas com menos intervalo de tempo.

 

 

Acompanhamento no público ou no privado?

 

Há várias razões para ponderar o acompanhamento no privado, e a principal é que no privado todo o acompanhamento é feito por um obstetra e não por um médico de clínica geral como no Serviço Nacional de Saúde. Portanto se tiverem seguro de saúde ou se estiverem disponíveis para pagar entre 70 a 100€ por consulta, um médico privado poderá ser uma excelente opção.

Muitas mamãs optam por ser seguidas nos dois lados, mas normalmente os médicos do público não gostam muito dessa ideia e fazem muita pressão dizendo que se quisermos ser acompanhadas no privado então não nos atendem mais. Isto leva a que muitas mulheres escondam do médico de Saúde Materna que estão a ser acompanhadas nos dois lados, porque a verdade é que esta é uma altura muito stressante e principalmente durante a primeira gravidez estamos sempre ansiosas por ir ao médico e saber mais sobre o desenvolvimento do nosso bebé e no privado temos a possibilidade de fazer muito mais ecografias e fazer um acompanhamento mais pormenorizado do que no público em que tirando as 3 ecografias comparticipadas o resto das consultas são apenas uma conversa com o médico.

 

 

Contar à família e aos amigos

 

Tudo vai depender da relação que têm com as pessoas, como é óbvio. A maior parte das grávidas contam apenas à família mais próxima até completarem o 1º trimestre e só depois contam aos restantes. Contar com o apoio dos pais ou de alguém próximo sem ser só o pai da criança é uma grande mais valia, porque no início a nossa cabeça está a mil e precisamos mesmo poder conversar com mais alguém sobre o assunto.

Pessoalmente contei primeiro ao meu namorado, porque obviamente sendo o pai da criança tem o direito de ficar a saber o mais rapidamente possível e só algum tempo mais tarde contei à nossa família próxima e amigos mais próximos. Os restantes só ficaram a saber quando dei a novidade aqui no blog.

 

 

Contar à entidade patronal

 

Por lei é obrigatório que a entidade patronal seja avisada, até porque vocês vão precisar de se ausentar para consultas e exames, podem ter alguns períodos em que precisem ficar em casa e, obviamente, vão estar de licença de maternidade no fim da gravidez. Assim sendo, assim que completarem o 1º trimestre (período durante o qual o risco de aborto espontâneo é mais elevado e por isso não vale a pena estar a contar a toda a gente) devem informar no trabalho da vossa condição. Há empresas que exigem a comunicação por escrito e a apresentação do certificado médico de gravidez – que basta pedirem no centro de saúde durante uma qualquer consulta – outras são menos formais e basta a comunicação oral.

Sim, infelizmente há muitos casos em que as mulheres são discriminadas, em que os contratos não são renovados, em que os chefes passam a ser bastante desagradáveis, mas não é em todo o lado felizmente e eu tenho até uma história muito feliz e surpreendente para contar – que ficará para um próximo post!

 

 

Espero que tenham gostado, ficou muito grande mas acho que é importante falar sobre estas coisas. Se tiverem alguma dúvida, alguma questão, deixem tudo nos comentários que irei responder o mais rapidamente possível 😀 Um beijinho enorme ♥

Follow:

4 Comments

  1. Cátia
    22 March 2017 / 12:25 pm

    Olá Maria, antes de mais muitas felicidades. A gravidez é um momento mágico. 😉

    Quanto à questão do ovo, eu comia durante a gravidez, aliás faz bem, mas era só cozido e bem cozido, antes fazia o teste do copo, se o ovo flutuasse é porque estava estragado, ovos estrelados não comia. Estes cuidados são mais importantes nos primeiros meses pois é quando se forma o cérebro do bebé, é a fase critica.

    Bjs

  2. Carolina
    9 March 2017 / 10:18 pm

    Desculpem estar a meter me mas queria apenas esclarecer vos de uma coisa. O vinagre é ótimo mas apenas mata lagartas, caracóis, etc., que estejam presentes nos legumes, não desinfetante. A desinfecção (eliminação de microrganismos) como as bactérias: a listeria, e.coli., por exemplo, não morrem com o vinagre. Para isso tem de se utilizar um produto a base de cloro, como o amukina. O cloro (hipoclorito de sódio) é também o composto principal da lixívia, dai ser igualmente recomendado, mas claro ter sempre cuidado nas dosagens. Sou auditora na área da segurança alimentar 😊 Toda a sorte do mundo Maria e parabéns !

    • 12 March 2017 / 5:41 pm

      Ahhh, então afinal eu sempre tinha razão nas minhas paranóias :p Obrigada Carolina! Beijinho grande*

  3. Cupcake. women
    7 March 2017 / 6:16 pm

    Já te dei os parabéns, mas não me canso!
    Esta fotografia transborda amor.

    P.s: Passatempo a decorrer no blog! :*

    Um beijinho,
    Mónica Rodrigues dos Santos
    http://cupcakewomen.blogspot.pt/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *