Pea on board #6 // Só falta um mês!

Pea on board #6 // Só falta um mês!

Aqui estamos nós, a um mês da data prevista de parto. Ainda não morri, é certo, mas sinto-me uma velhinha de 90 anos.

A última vez que escrevi sobre a gravidez, e falei de vários sintomas completamente normais mas que são muito chatos, já foi há mais de um mês, e por isso decidi criar este post para relatar mais um bocadinho desta viagem e também partilhar os acontecimentos das últimas semanas.

Até há 3 semanas atrás fazia a minha vida quase completamente normal, e nas últimas duas semanas antes dessas andava numa azáfama porque o Zé tinha regressado de viagem e eu tinha esperado até esse momento para irmos comprar as coisas todas do baby M. Foram horas intermináveis de centros comerciais e IKEA, a juntar aos esforços que já fazia habitualmente como limpezas em casa a baixar e levantar constantemente, carregar com pesos, etc etc. A coisa andava tão animada que o baby achou que isto devia ser tudo muito mais giro cá fora, e comecei com contrações.

Para quem nunca teve contrações é provável que pense “como é que eu vou saber que estou com contrações?”, foi uma dúvida que também sempre tive. Cada pessoa relata as contrações à sua maneira, mas a maioria fala sobre sentir a barriga dura, sentir a zona pélvica a contrair. Eu não senti nada disso, o que senti foram dores iguais às cólicas menstruais. Era uma moinha, na zona de baixo da barriga, com picos de dor intensa pelo meio. A única coisa que me alertou foi mesmo o facto de a dor não ter uma intensidade constante, porque dores dessas já eu tinha há bastante tempo ao fim do dia, resultado dos esforços constantes. Ainda esperei pelo dia seguinte, fui trabalhar como se nada fosse, mas à noite não tive outro remédio se não passar no hospital e, após CTG, lá se confirmou que estava mesmo com contrações.

Fiquei preocupada, estava com pouco mais de 32 semanas e não era de todo a altura indicada para o bebé vir cá para fora. Fiquei de baixa duas semanas, em repouso e com reforço de magnésio, e a coisa lá se compôs.

Agora já estou na segunda semana de trabalho, mas já estou a organizar tudo para que dentro em breve vá definitivamente para casa aproveitar um bocadinho de descanso antes do baby M. nascer. No entanto a minha situação física tem-se degradado bastante desde esse acontecimento. Tenho imensas dores nas costas; os meus pés começaram a inchar e neste momento só mesmo as minhas sandálias brancas da Aerosoles é que são uma solução viável – antes de ter admitido que a coisa estava feia o Zé chegou a ter de me vir buscar ao trabalho porque vim com outras sandálias e tive de as tirar à tarde, por me estarem demasiado apertadas, e ao fim do dia não as consegui calçar e não podia ir descalça para casa -; se me baixo fico cheia de dores na parte de baixo da barriga; o andar à pinguim tem-se agravado; tenho imensas dores nas virilhas e na bacia ao andar; demoro 3 séculos para conseguir subir as escadas do prédio; dormir é cada vez mais difícil porque para além de ficar com uma azia horrível sempre que me deito, tenho imensas dores na barriga; estou sempre, mas SEMPRE, com vontade de fazer xixi, parece que vou fazer xixi pelas pernas a baixo a qualquer momento basta um pequenino esforço como levantar a perna para enfiar dentro das calças, por isso podem imaginar o sofrimento que é andar de autocarro nestas belas estradas esburacadas; passar o dia sentada na cadeira do trabalho é uma tortura, depois do almoço já não tenho posição para estar; nem sentada no sofá ou recostada na cama consigo estar decentemente porque entre mamas e barriga fica tudo esmagado e começo a ter dores… portanto, está tudo muita bem!

Para juntar a isto, a bancada da cozinha e os parapeitos das janelas ficam exatamente na direção do meu umbigo, e por isso tenho muita dificuldade a preparar comida, lavar a loiça ou estender/apanhar a roupa, tarefas que têm sobrado para o Zé. É nestas alturas que percebo que não podia ter “escolhido” melhor pessoa para estar ao meu lado, mesmo! Ele tem feito tudo, tem-se desdobrado o mais que pode para chegar a todo o lado e colmatar todas as minhas falhas. Há dias em que desabo, porque me sinto completamente inútil, quero fazer mais e não consigo, às vezes nem pensar consigo, mas até nesses momentos ele é o primeiro a estar lá para me acalmar e para me dizer que não está a acontecer nada de anormal, que eu já estou a fazer a minha parte que é gerar o Martim e que ele faz o resto durante o tempo que for preciso. Digam lá se isto não é ter sorte?

Este fim de semana as malas da maternidade ficaram prontas – já tinha pesadelos com isso todos os dias, a achar que o miúdo ia nascer e eu não tinha nada despachado -, a roupa dele também já está toda lavada e arrumada  e o carrinho já está na arrecadação. Está tudo pronto para ser só o Zé montar o berço – comprámos o Next2Me da Chicco – no dia em que voltarmos para casa do hospital. Mais umas dores de cabeça que me saem de cima.

No próximo fim de semana terminamos também o curso de preparação para o parto – já era para ter terminado este sábado mas tivemos de adiar a última aula. Escolhi fazer com o Instituto4Life que, apesar de ser privado, tem uns pacotes a preços bastante acessíveis e os horários são os mais indicados para quem trabalha. Sim, porque no público o curso é durante o dia, às 11h ou às 16h, quem é que estando a trabalhar pode ir a um horário desses? Ali tivemos aulas sempre aos sábados de manhã, 4 sábados seguidos, e fomos mesmo muito bem acompanhados. Optámos pelo pacote mais básico, que custou 80€, e não estou nada nada arrependida!

E é assim que vamos por aqui, numa grande ansiedade de ver o Martim cá fora mas ao mesmo tempo num completo pânico só de pensar no momento do parto. Espero que as águas só rebentem depois de muito tempo de contrações, porque deve ser terrível ter de estar horas e horas em trabalho de parto no hospital, preferia estar a curtir as minhas contrações e a minha dilatação sossegadita em casa até a coisa já estar mesmo muito grave. Vamos ver se tenho essa sorte ♥

(Visited 1,371 times, 1 visits today)
Follow:

2 Comments

  1. Filipa Marques
    2 August 2017 / 11:31 am

    Ola Maria! Ha muitos anos seguia o teu blog mas entretanto mudei me para Londres e perdi me dos blogs honestamente. Tenho a vaga ideia que também fazia videos no youtube.. ainda os fazes? Gostava de te seguir visto que também estou gravida e e sempre bom ver portugueses na comunidade do youtube!
    Muitas felicidades!

    • 5 August 2017 / 8:36 am

      Olá Filipa 🙂 não, já não faço vídeos. Apesar de gostar muito do formato, o trabalho de gravar e editar é demasiado para o tempo que tenho disponível agora. Mas muito obrigada pelo teu comentário e podes acompanhar a minha gravidez no Instagram (@ohmariablog). Beijinho e felicidades <3